206205308_3861337150642011_3067434434567217944_n_edited.jpg
anarchicks.jpg

ANARCHICKS e 13 & O CLUBE 666

AO VIVO DIA 11 DE JUNHO DE 2022 EM AMARANTE

As Anarchicks estão de regresso com um grito de liberdade em forma de música, ‘No Freedom Under Fascist Rules‘. Nesta sua nova faixa, Rita Sedas (voz), Helena Andrade (baixo), Adam d’Armada Moreira (guitarra), Mariana Rosa (guitarra) e Catarina Henriques (bateria) invocam influências de bandas como IDLES para criar uma faixa extremamente energética e ruidosa. Anarchicks Anarchicks Anarchicks 

Aqui, guitarras gritam alto nos seus riffs influenciados pela escola DYI do punk, e a bateria marca o ritmo elevado de uma faixa que apresenta uma mensagem política bastante forte face ao crescimento do discurso fascista que se vê um pouco por todo o lado (infelizmente). “É um statement direto e sem metáforas que grita com todas as letras LIBERDADE. Quando, na penumbra e na calada da noite sentimos o bafejar fétido de um fascismo que pensávamos adormecido, tornou-se urgente lembrarmos que um mundo sem liberdade é um mundo incompleto, violento e que não serve uma sociedade de pessoas iguais nos seus direitos”, refere a banda sobre a mensagem por trás desta música. Anarchicks Anarchicks Anarchicks

Numa altura como esta, é preciso lembrar que a música (e a arte) tem um papel muito importante na vida política e na sua posição enquanto possível criadora de um discurso intersecional de diversidade, da igualdade, da compaixão, do sentido de comunidade, do direito à felicidade para todos. As Anarchicks fazem isso de forma muito frontal em ‘No Freedom Under Fascist Rules‘, e ainda o fazem conseguindo criar uma faixa orelhuda e cativante, sem perder nenhuma da energia punk que as caracteriza.

Após o fim de Eskizofrénicos, o vocalista Hugo Meireles e o baterista Emanuel Paice, decidem criar um novo projecto musical, os 13 & o Clube 666. Para acompanhá-los nesta nova aventura decidem convidar dois amigos de longa data. Para a guitarra entra Artur Ferreira (Fora de Serviço; Inversão de Marcha; entre outros projectos dentro do universo Punk e Rock´n´roll) e Pedro Cerqueira para o baixo (Quebra Cabeças e Sémen). A ideia principal da banda é fazer um som dentro do universo Psychobilly, onde a mistura de influências dos sons mais primitivos e selvagens do Rock´n´roll dos anos 50, se cruza com a atitude mais agressiva e niilista de bandas como Meteors, The Cramps, Demented are Go, Batmobile e também de bandas Portuguesas do género como Capitão Fantasma. A formula da banda é simples: muito Rock´n´Roll demente, humor negro e histórias de faca e alguidar.

Temos encontro marcado no dia 11 de Junho no Viaduto da Ecopista do Tâmega em Amarante (junto à Renault e TMG)